Valem muralhas de pedra
para represa dos rios,
certas palavras eternas
que decidem do destino.
Henriqueta LISBOA, Drama de Bárbara Heliodora

Herinqueta, tua mão
jamais poderão
os tolos cortar

tua mão é flor do asfalto
da que brota em solo infausto
e a Drummond faz cantar

no lugar dos pétreos dedos
estes verbais arremedos
queiras tomar

lembra: se a cópia é fracionada
que à matriz isso em nada
mal-agoura

sabes que estrofe, quando escrita
vandalismo não desdita
nem desdoura

mal sabe o tolo que a palavra
marreta alguma escalavra
nem a corta tesoura

Henriqueta, tua mão
sempre os versos serão
  que compuseste
     que suscitares

Sábado, 18/jun/2022, em homenagem a Henriqueta Lisboa, depois de sua estátua haver sido vandalizada em Belo Horizonte.