tradizer

Lançamento: Nulla che non possano i versi: antologia de poesia italiana entre o Brasil e a Itália

. 1 min read . Written by Fabiano Seixas Fernandes
Lançamento: Nulla che non possano i versi: antologia de poesia italiana entre o Brasil e a Itália

As antologias de literatura estrangeira, apesar da inegável importância em divulgar a produção literária de outros países, muitas vezes reforçam tacitamente o mito do monolingüismo literário.

A antologia compilada por Andréia Guerini e Karine Simoni, recentemente lançada pela PGET/UFSC, no entanto, quebra a ilusão monolíngüe ao apresentar uma seleta de poesia escrita em italiano por autoras e autores do Brasil, da Itália e mesmo uma autora de dupla nacionalidade suíça/italiana.

A nota de lançamento na página do Programa de Pós-Graduação em Estudos da Tradução oferece o seguinte resumo:

Esta antologia reúne oito poetas brasileiro(a)s, italiano(a)s e suíça/italiana que escreveram algumas de suas poesias em italiano (ou em italiano paródico) e nasce do desejo de preencher uma lacuna no sistema cultural brasileiro e poder disponibilizar ao público de língua portuguesa e também italiana algumas composições dispersas em diferentes obras, inéditas na forma desta antologia. Percorremos um arco temporal de trezentos anos, começando com as poesias de Cláudio Manuel da Costa, passando por Juó Bananére, Murilo Mendes, Marina Colasanti, Julio Monteiro Martins, Vera Lúcia de Oliveira, Marco Lucchesi e Prisca Agustoni. A antologia é formada por 15 poemas de cada autor(a), com exceção de Cláudio Manuel da Costa, representado por 20 poemas, seguida por um ensaio biobliográfico, escrito por diferentes pesquisadore(a)s brasileiro(a)s. A coletânea aqui reportada está no limiar entre diferentes culturas e apresenta autore(a)s multifacetado(a)s, mais e menos conhecido(a)s do cânone literário. Espera-se que seja útil ao(à)s estudioso(a)s de literatura em geral e prazerosa para o(a) leitor(a) não especializado(a), pois como sugere o verso 28 do poema 239 do Canzoniere de Petrarca, não há nada que não podem os versos [Nulla al mondo è che non possano i versi], ou seja, aqui temos a força da poesia em todo o seu esplendor.

Cabe ainda acrescentar que cada poeta recebeu um ensaio, disponível em italiano e português. Contribuíram com ensaios Pedro Faleiros Heise, Benedito Antunes, Daniela Bunn, Mariana Ianelli, Mia Lecomte, Alexandre Pilati, Adriana Aikawa e Marcelo Bueno de Paula.