meus demônios habitam
o inferno dos outros

descansam à sombra
de alheias muralhas

desde estreitas ameias
acertam-me as setas

de farpas minhas
das penas minhas feitas

o que é meu não me pertence:
não vencerei meus demônios