esquisitinhos

de sinônimos

. 1 min read . Written by Fabiano Seixas Fernandes
de sinônimos

dois Batistas
(claramente homônimos)
  havia
  que passavam o dia
compilando listas
de sinônimos

Ainda adolescentes, apresentou-os amigo comum alegando serem “sinônimos” um do outro. Amistou-os o chiste; aproximou-os conversar sobre quão curiosa era a homonímia das pessoas, a heteronímia das coisas, a polissemia das palavras. Tornaram-se a onomástica, a terminologia e a lexicografia assuntos usuais, recorrentes, repetidos, corriqueiros, quotidianos; juntos, curavam, coligiam, compilavam, arrolavam, acumulavam e organizavam listas de sinônimos ou idéias afins; tesauros, dicionários analógicos, glossários e enciclopédias à mão, amiúde visitavam-se com novas curiosidades, sondagens, pesquisas, perquirições, perscrutações, investigações e inquéritos de natureza histórica, filológica, sociológica ou lingüística. Apoiados nas mútuas memórias e na simultânea amizade, facilmente desdobrariam uma centena de sinônimos da cor azul ou os nomes de complexas espécies de borboletas. A maioria das pessoas talvez lhes achasse o gosto por palavras raras, inusuais, incomuns, recônditas, esdrúxulas, estranhas, extremas, técnicas, arcaicas, dialetais e desusadas um tanto enfadonho. Havia, porém, para os dois, um sempre fresco fascínio no variado, variegado, reiterado, multiforme e transformacional batismo de todas as coisas perante a palavra—cada sinônimo um universo de relações possíveis, cada homônimo renovando e renomeando a singela relação entre dois amigos que partilhavam a mesma forma referencial perante um mundo que nem sempre ouvia de muito bom grado o que tinham a dizer do fundo de seu mútuo amor.