Nem todas as crianças vingam
MACHADO DE ASSIS, Pai contra mãe

Não me batas à porta, pequenino,
  Não te deixo entrar,
Não conheces a terra onde vivo,
  Pecadora e má.
Na eternidade plácida que esperes
  Até que a ti eu vá,
Este mundo é cruel, pequenino,
  Não te deixo entrar.

Não me batas ao peito, criancinha,
  Não suporto a dor
De a teus apelos voltar sempre ouvidos
  De mercador!
Não conheces que monstros os homens
  Que cá estão a viver,
Asserena, asserena, criancinha,
  Não te deixo nascer!

Black Woman
Don’t knock at the door, little child